Especial "Dia Internacional da Mulher" - A presença feminina na indústria


Nascemos em Athol, USA, sob o desejo de oferecer às pessoas emprego, e uma chance honesta de ganhar a vida e se realizar profissionalmente. De lá pra cá se foram 140 anos no mundo e outros 60 no Brasil, com milhares de profissionais trabalhando todos os dias.
 
No Brasil temos que dar o devido destaque à célula de carimbo e embalagem, setor que hoje reúne o maior número de mulheres da fábrica: são 27 no total. É aqui que encontramos Egídia de Andrade Dantas, que há 12 anos, sai todos os dias de casa para a Starrett. Ela conta que o sonho de trabalhar na empresa era antigo, devido a popularidade e referência dentro da cidade de Itu. Aos 18 anos, ela conseguiu realizá-lo, e encontrou na produção a sua oportunidade de crescimento: "Foi o meu primeiro emprego e fiquei muito feliz quando entrei. Desde então já passei por diversas células, sempre na produção. Aprendi muito, continuo aprendendo e é bom estar num ambiente tranquilo, em que todos se ajudam e se respeitam".

A presença feminina em nossas células é algo que nos dá orgulho e a sensação de que estamos caminhando para dar cada vez mais espaço para elas na Indústria, ambiente ainda predomintemente masculino. Mas será que elas dão conta? Dão, sim senhor!

Egídia de Andrade Dantas
Operadora - Célula de Acabamento

 

Elaine Cristina Batista Ferrari
Ajudante de produção - Célula de Serra Copo
Por essas mãos passam mais de 3 milhões de peças por mês, chegando a 150 mil lâminas por dia. Como toda a fabricação do nosso segmento de serras é feito em território nacional, também temos funcionárias nas células de serra copo, serra sabre e serra manual, ou quase 70% de tudo o que é produzido na Starrett.

 
O setor de controle de qualidade de instrumentos e ferramentas completa a linha de produção, com funcionárias que estão há mais de 20 anos em nossa empresa, como é o caso das funcionárias Patrícia Yolanda Souza da Silva, Rita de Cássia Ardigueri Parige e Maria Candelária Sebelini, que diariamente garantem o melhor desempenho de nossos produtos, hoje vendidos em mais de 100 países.

Mas como uma grande empresa, a Starrett só consegue seguir porque toda a engrenagem caminha em harmonia. A produção, o comercial, Marketing, o RH, o TI, o Financeiro e o Administrativo, todos trabalhando pelo mesmo propósito. E em cada setor é possível encontrar um braço feminino.

E elas já estão presentes em diversos setores da economia brasileira, como na indústria, em que representam 32% da mão de obra. E isso não é só uma tendência, elas vieram para ficar, estão aqui, lá e acolá, tomando para si os seus lugares de direito.

Maria Anita Prado dos Reis
Operadora - Célula de Acabamento de Serras Retas

Para as mulheres que desejam trabalhar na indústria, Egídia diz que vê-las ocupando um espaço que ainda é de maioria masculina, traz inspiração e encorajamento. "Somos capazes de desempenhar qualquer função com excelência, desde que haja vontade de aprender e amor pelo que faz".


Nossas funcionárias reunidas na célula de carimbo e embalagem
(Em ordem alfabética: Amanda Fátima Felix, Claudinete Rodrigues Mendes, Cleonice Francisca dos Santos, Daniela dos Santos Tavares, Daniela Xavier de Campos,Dione Alves dos Santos, Egídia de Andrade Dantas, Elaine Cristina Batista Ferrari, Eliete Cristina Garcia, Gilnara de Andrade Dantas, Giovana Aparecida da Silva, Jaqueline Koshimizu, Leandra Martins Oliveira de Jesus, Maria Anita Prado dos Reis, Maria Candelária Sebelini, Marli dos Passos Pereira, Melissa Nunes Lopes, Osvalnilda Aparecida Corrêa, Pamela de Oliveira Silva Caldas, Patrícia Yolanda Souza da Silva, Priscila Silveira dos Santos, Rita de Cássia Ardigueri Parige, Sandra Regina Mariano, Sheila Santos Oliveira e Silmara Cristiane da Silva)